Reunião de Vigários Judiciais de Portugal

No próximo dia 19 de Janeiro, terá lugar, em Fátima, uma reunião na qual participarão os Vigários Judiciais dos Tribunais Eclesiásticos portugueses.

Este encontro, cuja coordenação está a cargo do Rev. Pe. Dr. Manuel Joaquim Estêvão Rocha, Presidente da Associação Portuguesa de Canonistas, tem como objectivo abordar os desafios colocados pela reforma do processo matrimonial canónico determinada pelo Papa Francisco. Entre os seus elementos fulcrais, esta reforma pretende um maior envolvimento pessoal dos Bispos no acompanhamento e discernimento dos casos na sua própria diocese, convidando-os a participarem activamente na resolução deste tipo de processos. Além disso, a reforma alterou o modo como os Vigários Judiciais exercem a sua função no desenrolar dos processos.

Pela importância desta reforma, esta reunião reveste-se de particular relevância, já que se realiza dentro do esforço da Igreja em Portugal em aplicar e pôr em prática os vários aspectos desta reforma ardentemente desejada pelo Papa Francisco.

Anúncios

Direção reúne-se em Fátima

Na manhã do dia 13 de Janeiro, os membros da Direção da Associação Portuguesa de Canonistas reuniram-se na Casa de N. S. do Carmo, em Fátima.

Entre os vários assuntos abordados na reunião, dedicou-se um especial cuidado à programação do próximo Encontro Nacional, que terá lugar de 7 a 10 de Setembro de 2016.

As reuniões periódicas da Direção são um valioso meio para cumprir as finalidades a que se propõe a APC.

Feliz Ano novo!

2016

A Direção da Associação Portuguesa de Canonistas deseja a todos os seus sócios, amigos e benfeitores um 2016 muito feliz!

«O tempo não é uma realidade alheia a Deus, porque Ele quis revelar-se e salvar-nos na história, no tempo. O significado de tempo, a temporalidade, é a atmosfera da epifania de Deus, isto é, da manifestação do mistério de Deus e do seu amor concreto. De facto, o tempo é o mensageiro de Deus, como dizia são Pedro Fabro. (…) Tudo isto nos leva a pensar no fim do caminho da vida, no fim do nosso caminho. Houve um início e haverá um final, «um tempo para nascer e um tempo para morrer» (Ecl 3, 2). Com esta verdade, tanto simples e fundamental quanto ignorada e esquecida, a Santa Mãe Igreja ensina-nos a concluir o ano e também os nossos dias com um exame de consciência, através do qual percorremos o que aconteceu; dando graças ao Senhor por todo o bem que recebemos e que pudemos praticar e, ao mesmo tempo, examinamos as nossas faltas e pecados. Dar graças e pedir perdão

Papa Francisco, Homilia, 2014.12.31